Dicas de Homeschooling para a quarentena, com um “toque de humanidade”

(Foto: Avalon Evolutive School)


Historicamente, muitas inovações no campo da educação aconteceram durante e após momentos de crise. Montessori, Steiner, Piaget e Vygotski, por exemplo, surgiram com teorias educacionais inovadoras após as guerras mundiais.

Este fenômeno acontece porque em momentos de crise, começamos a priorizar aquilo que é efetivamente mais importante para nossa evolução como humanidade.

Convido vocês a fazerem a pergunta: o que é prioritário na educação em tempos de quarentena?

Para responder a esta pergunta, precisamos quebrar alguns paradigmas, deixar de lado crenças tradicionais e falar sobre educação do ser humano real. Neste processo, a organização do tempo e dos espaços, e as habilidades sócio emocionais são muito importantes.

Que tal saber um pouco mais sobre estes temas?


(Foto: Avalon Evolutive School)


Organização do tempo e dos espaços

Uma área de “trabalho” para a criança.

Ter um espaço reservado para a criança realizar suas atividades é muito importante. Um espaço ordenado ajuda na organização mental.

Pode ser uma escrivaninha com gavetas, ou uma mesa simples e uma caixa para guardar os materiais. Para atividades “melequentas” com cola, argila e tinta, forre esta mesa com plástico ou prefira um ambiente que seja de fácil limpeza. Você irá se estressar menos e dará mais liberdade para a criança experimentar se não estiver preocupado com manchas na mesa.

Além deste espaço “personalizado” para as atividades, deixe seu filho usar outros lugares: um sofá, o chão, um banco no jardim. O importante é que esta área esteja organizada e preparada: permanece aquilo que é necessário para a atividade e guardamos os objetos que não fizerem parte.

(Foto: Avalon Evolutive School)


Lista básica de materiais criativos.

Tendo os materiais certos, podemos incentivar as crianças a realizarem brincadeiras semiestruturadas. Com as matérias primas que encontrar em casa, ela pode inventar suas próprias produções e brincadeiras, desenvolvendo criatividade, organização e empreendedorismo. Aqui temos algumas sugestões de materiais:

· Materiais básicos de escritório: canetas, canetinhas, lápis de cor, borracha, régua, folhas, cola, tesoura.

· Materiais extras: palitos de picolé, palitos de espetinho, cola quente, papeis coloridos, massinha, papel crepon colorido, argila, compasso, réguas de desenho, pincéis, tinta guache, prancheta, glitter, lã, algodão, cordão, feltros e outros tecidos.

· Materiais recicláveis: garrafas de plástico, caixinhas de leite, embalagens, tampinhas, etc.

· Materiais naturais: galhos de árvore, pedras, folhas secas, flores secas, etc.

Utilize gavetas identificadas ou caixas decoradas para guardar cada um destes grupos de materiais.

Onde guardar o material produzido.

A criança irá produzir desenhos, documentos e obras de arte que você pode guardar para montar um registro de atividades. Ao rever e revisar tudo o que aprendeu e produziu, a criança reforça o aprendizado no cérebro e constrói a percepção do seu poder de realização, fortalecendo sua autoestima e autonomia.

Decore uma caixa de papelão ou de plástico junto com seu filho. Ali dentro, coloquem as atividades que ele for produzindo. Para montar uma sequência, coloque data e nome em cada folha. Quando finalizarem as atividades semanais, por exemplo, na sexta-feira à tarde, reveja as atividades e organize esta caixa junto com ele.

Organização do tempo juntos.

Você precisa trabalhar em casa e seu filho precisa do seu apoio neste momento. Quanto menores as crianças, mais elas pedirão sua presença para sentirem-se seguras, principalmente diante de coisas desconhecidas, como pode ser uma aula on-line. Este é um processo mais intenso no começo, mas que se for feito com paciência, garante as horas que você precisa para trabalhar.

O primeiro é estabelecer dois horários por dia, por exemplo, uma hora de manhã e outra de tarde (ou mais tempo, se você tiver), onde você estará exclusivamente atendendo seu filho, sem celular ou tarefas do trabalho. Mas lembre-se de não virar o “inspetor” da escola, cobrando e pressionando. A ideia é justamente o contrário: estar com ele presente, participar juntos das aulas e atividades, interessar-se pelos temas, ajudá-lo a investigar, perguntar e aprender juntos. Tome este tempo só para vocês dois e desfrute.

A autonomia é algo que se desenvolve durante este convívio, pois depende da construção da segurança que a presença de um adulto confiável pode proporcionar.

Fora destes horários “exclusivos” para vocês dois, cada um terá tempo para seu trabalho pessoal: ele continuará as atividades dele e você as suas, ainda que estejam juntos no mesmo ambiente. Comunique o que está fazendo: agora vou trabalhar, agora vou arrumar a casa, agora vou fazer uma ligação, etc. e pergunte o que ele está fazendo. Compartilhar a dinâmica da vida real é um grande aprendizado para a criança.



(Foto: Wix)


Habilidades sócio emocionais

Atualizar seus paradigmas sobre o que é educação.

O que é realmente importante na educação de uma criança?

Mais do que informações ou conteúdos, são as “soft-skills” que irão determinar o futuro dos nossos filhos: capacidades de comunicação, empatia, relações humanas...

Observe seu filho sob esta visão: veja se ele está mais feliz, confiante, autônomo, comunicativo, se percebe mais, se resolve situações e dá ideias, se organiza seus pensamentos e planeja ações.

Tenha o cuidado de não generalizar, esperando que ele esteja feliz sempre ou o tempo todo. O ser humano tem variações de humor e estados emocionais durante o dia. Observe o progresso real da criança em seu processo evolutivo: onde ela estava, onde ela está agora e para onde ela vai.

A educação tradicional está baseada em que as crianças recebam ideias de outras pessoas em forma de dogmas e crenças universais. Quebre este paradigma, deixe espaço para que seu filho perceba por si e tenha ideias. Ouça, valide e valorize suas perceções e suas criações. Desista de mostrar para ele quantas coisas você sabe. Pergunte como ele vê as coisas, o que espera, o que ele está pensando, como está imaginando, pergunte como ele realizaria seus projetos, desenhe junto com ele.

A oportunidade de conviver com seu filho de perto neste momento pode propiciar um grande avanço nas habilidades humanas e sócio emocionais (suas e dele), que são a base de outros tipos de aprendizado. Se pensarmos nos conteúdos escolares tradicionais, veremos que podem ser recuperados a qualquer momento, principalmente se estamos equilibrados.

Os novos paradigmas do ser humano

Estude neurociência, física quântica, o cérebro e as emoções, meditação e, principalmente, estude sobre a atenção e a percepção. São os paradigmas que dirigem a nova educação.

Já se foi o tempo em que a palavra “atenção” significava somente “concentração” e que este era o principal indício de que alguém estava aprendendo. A atenção focal é uma parte do processo, mas precisamos também de aten